segunda-feira, 24 de setembro de 2012

The Voice tupiniquim

Lembram quando falei da Ellen Oléria aqui no blog? Aquela moça de voz forte e presença impetuosa? Pois é! Não é que a danada participou do primeiro episódio do The Voice Brasil? Fiquei muito feliz quando vi! 


A versão brasileira do excelente (eu acho!) reality americano já começou, na minha opinião, escorregando feio na combinação deles. Enfim, não vou nem entrar no mérito da questão, já que tenho uma opinião muito particular sobre determinados artistas e longe de mim criar polêmicas. 

Pela amostra do primeiro episódio, já deu pra perceber que tem muita gente boa e talentosa nesse país de meu Deus! Mas disso a gente sabe, né? Brasileiro é artista mesmo sem querer. A Ellen brilhou no palco e que eu já tô com a geral torcendo por ela! #TeamEllen

Outro participante que impressionou todo mundo foi o índio Yuri, por ter a voz extremamente parecida com a do sertanejo Chitãozinho e Xororó e, claro, ter cantado muito bem. Só que aí, não se sabe bem o motivo, não aprovaram o cara e ainda fizeram um 'discurso' sobre a etnia do rapaz e o talento que ele demonstrou. Uma espécie de justiça tardia ao povo indígena, sabe? Até o apresentador do programa achou errado. #Dislike


Foi algo mais ou menos assim: não gostaram, ou gostaram, mas não aprovaram. E quando viram que era um índio, rolou a culpa por não terem aprovado. Só sei que tá rolando campanha pro Yuri voltar e eu tô dentro.

Polêmicas à parte, vou continuar acompanhando, quero ver até onde essa onda leva.

Um comentário:

  1. Deram um tratamento ao indígena diferenciado, como se pelo fato dele ser índio, o mesmo fosse passível de peninha. É um cidadão brasileiro que merece respeito como outro qualquer, tudo bem ele canta magnificamente bem, mas...Senti como se houvesse uma mea culpa coletiva pela dizimação dos povos indígenas...E tenho dito !!!!

    ResponderExcluir

Deixe seu rabisco por aqui!Em caso de dificuldade, envie seu comentário para o endereço rabisco-criativo@hotmail.com

Críticas são bem-vindas, mas educação e bom senso também.

Obrigada.