domingo, 19 de julho de 2015

A mim, nada resta
















Ainda tento me libertar dessa mania
- estúpida
de mendigar as migalhas do
amor alheio que peço.

Por mais que se tente
sempre faço
- o inverso.

Rastejo
arrasto-me
imploro.

Cada minuto de riso
equivale a horas de
choro.

Eu tento
e falho.

Sem conseguir
tudo sofro.

E em mais derrotas
- caio

Preciso fugir de meus abismos
ou então
- morro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu rabisco por aqui!Em caso de dificuldade, envie seu comentário para o endereço rabisco-criativo@hotmail.com

Críticas são bem-vindas, mas educação e bom senso também.

Obrigada.